Curso Xamanismo


bbb.jpg



Curso Básico de Xamanismo Wakan Tanka


O xamanismo é a prática mais antiga e duradoura da humanidade.
Livre de dogmas e doutrinas fanáticas é um recurso valioso para se estabelecer
                    o contato profundo com os potenciais inconscientes – nosso universo ancestral e arquetípico. Particularmente, eu concebo o xamanismo como um Caminho que se apresenta, único, transformador, intrasferível.
Um caminho muitas vezes solitário, permeado de dúvidas, preconceitos, mistérios.

Entender o “caminho” só é possível ao “caminhante”.
E caminhante é aquele que pratica a Jornada.
E praticar a jornada é se permitir tomar consciência, teórica e experiencial,
da realidade multidimensional do ser humano, de modo a cultivar e aperfeiçoar o seu espírito.


Programa


Módulo I - O que é o Xamanismo
Módulo II - Os Animais de Poder 
Módulo III - Os Instrumentos de Poder 
Módulo IV - As Plantas de Poder 
Módulo V - O Sagrado e o Profano - rituais 
Módulo VI - A Viagem Xamanica 
Módulo VII - Sonhos – perspectiva xamanica/psicológica 
Módulo VIII - O Resgate de Alma –  noções preliminares

As vagas estarão sendo disponibilizadas a apenas 10 alunos.
Os módulos não serão oferecidos individualmente.


Leia abaixo a descrição de cada módulo






Módulo I   -   XAMANISMO   :   Em Busca da Transcendência

Para entendermos o que é o Xamanismo, precisamos entender primeiramente o que é Religião. Assim como as artes, a ciência ou a filosofia, a religiões é um fenômeno inerente à cultura humana. Não há registro em qualquer estudo por parte da história, antropologia, sociologia ou qualquer outra ciência social, de um grupamento humano em qualquer época, que não tenha professado algum tipo de crença religiosa. 


A palavra religião deriva do termo latino "Re-Ligare", que significa "religação" com o divino.
Essa definição engloba necessariamente qualquer forma de aspecto místico e religioso,
abrangendo seitas, mitologias e quaisquer outras doutrinas ou formas de pensamento que tenham
como característica fundamental um conteúdo Metafísico, ou seja, de além do mundo físico.

Alguns pontos que serão debatidos neste encontro.

- Qual a diferença entre Religião e Seita.
- Mitologia é Religião ?
- O que é Panteismo, Monoteismo, Politeismo e Ateismo ?
- Religião e Espiritualidade.
- O que é o Xamanismo ?
- Quem são os xamãs ?
- A cosmologia xamânica : mundo do meio, mundo inferior e mundo superior.
- Estado xamânico de consciência – EXC – e estado comum de consciência – ECC.
- O que é normal e o que é patológico – religião x ciência
- Exercícios práticos : Vivenciando o estado xamanico de consciência.



Módulo II   -   OS ANIMAIS DE PODER

De acordo com várias tradições xamânicas, cada pessoa tem pelo menos um Animal de Poder.
Esse espírito é individual, de cada um, e está ligado ao íntimo de seu próprio espírito. São chamados de
animais de poder porque o poder ou força de vida primal chegam a nós através deles.
Esses espíritos tendem a tomar forma ou moldar sua força de vida de acordo com sua natureza.

É comum assumirmos certas posturas, ou mesmo que nossos traços físicos passem a se mostrar cada
vez mais próximos aos do animal que tomamos contato. Por conta disso, existe a tentação de tentarmos escolher um determinado animal de poder, por ele ter características que gostaríamos que os outros
vissem em nós. Mas isso é uma tentativa totalmente sem fundamento, pois nós não escolhemos um
Animal de Poder, eles que se apresentam a nós por vontade própria.

Eles ficam conosco por toda a vida, outros espíritos podem vir e ir, porém nosso Animal de Poder
não nos deixa, a não ser em casos extremos, como traumas ou profundas mudanças na vida.
Nesses casos, o espírito deve ser recuperado ou um novo espírito pode ser invocado.
Segundo a tradição, nosso Animal de Poder pode mostrar-se em sonho, visões, meditações, ou por meio
de um xamã experiente. Os povos nativos têm acreditado que os clãs animais têm grandes poderes
medicinais que eles compartilham conosco, se nós tivermos a sabedoria para receber os ensinamentos.

O antropólogo Michael Harner, em seu livro “The Way of The Shaman “ descreve que quando uma pessoa e
stá doente ela fica desanimada , ou seja ela perdeu sua força animal, está deprimida, fraca e predisposta
a adoecer. Os povos xamânicos chamam a energia dos animais honrando-os. Nós também podemos tirar proveito desses poderes, em todo o conjunto do seu clã, por um processo chamado invocação.
Quando nós invocamos, nós estamos literalmente convidando um espírito animal para viver perto de nós,
então podemos compartilhar de seu poder medicinal.

Neste módulo você terá um encontro especial com os espíritos guardiões. Descobrirá o seu animal de
poder na jornada xamânica ao som do grande tambor, ativará suas energias internas, acessando os arquétipos e reconhecendo o animal que se faz presente. Descobrirá quais os símbolos, forças e mensagens transmitidas pela medicina do seu animal de poder, para que você possa aplicar sabiamente no seu dia a dia.


Módulo III   -  
INSTRUMENTOS DE PODER

Os xamãs sempre se utilizaram de objetos mágicos-religiosos que lhes conferiam poder ás cerimonias e rituais.
Neste módulo nós vamos conhecer alguns destes instrumentos, como por exemplo, o tambor, o maracá, amuletos e talismãs, entretanto, objetivando o aprofundamento neste universo simbólico, vamos trabalhar com um poderoso instrumento de poder - o cachimbo - e uma extraordinária planta professora - o tabaco.

Você aprenderá a preparar a sua porção de tabaco com ervas auxiliares e saberá como e quando utilizá-los. Vivenciará o ritual de consagração do seu Cachimbo Sagrado e a invocação do espírito visionário do Tabaco.

Cachimbo : É de uso corrente entre os xamãs do mundo inteiro. Para os nativos norte-americanos,
ele surgiu com a aparição da Mulher Novilho Búfalo Branco, na tribo Lakota.
O cachimbo também é utilizado por xamãs peruanos em rituais com plantas de poder,
na magia dos pretos velhos, por índios brasileiros em rituais de cura e exorcismos.

Tabaco : As Plantas Sagradas são poderosas, mas quando usadas ou desrespeitadas, seu poder
pode ser destruidor. O tabaco pode ser um curandeiro ou um destruidor. Depende de como ele é utilizado.

Quando usado de uma forma sagrada, ele pode promover a boa saúde e
ajudar com orientação espiritual e de crescimento. Quando o tabaco é usado de forma ritualística
ele se torna sagrado. Nos velhos tempos, o tabaco foi a mais santa das plantas e os mais sagrados objetos
de cerimonial. O Criador é o espírito do tabaco. Quando utilizado com respeito e honra através do cachimbo,
a fumaça envolve o espírito do homem e depois viaja para o céu, carregada com gratidão.

 


Módulo IV  -  PLANTAS DE PODER


O uso de Plantas de Poder, conhecidas atualmente como plantas enteógenas – entheos = Deus dentro - são também reconhecidas como plantas sagradas - fazem parte da experiência humana há milênios. Atualmente, existem comunidades religiosas que se utilizam de Plantas de Poder como sacramento de seus rituais – dentre elas, o Peiote; a Jurema, a Ayahuasca, o Tabaco, etc.


As Plantas de Poder aumentam a percepção, a acuidade visual e auditiva, e transportam o praticante para outras camadas vibracionais ou dimensões. A experiência é individual, algumas pessoas tem visões, outras canalizam mensagens, fazem regressões, recebem insights, recebem soluções para seus problemas com maior claridade, percebem as causas de suas doenças, recebem cura, se conectam a arquétipos, aos mitos, aos medos, traumas, símbolos que estão no inconsciente coletivo, visualizam entidades espirituais, viajam astralmente, etc.


Alertamos entretanto, que a busca pelas Plantas de Poder pode ser perigosa. Não são todos os que dizem conhece-las, que as conhecem realmente. As Plantas de Poder só trazem resultados benéficos, se utilizadas dentro de um fundamento espiritual, ou seja, consagradas em rituais e preparadas de forma correta. Neste módulo nós vamos apresentar a maneira correta de se trabalhar com o espírito guardião de cada planta de poder, em detrimento uso exclusivamente químico de sua manipulação.

 


Módulo V  -    O SAGRADO E O PROFANO – rituais


Em que o Sagrado é diferente do Profano? O que faz, por exemplo, que uma pedra ou uma árvore se destaquem e se tornem diferentes de outras pedras e de outras árvores? Segundo Mircea Eliade  em seu Tratado de História das Religiões,  embora todas as coisas possam ser sacralizadas, nem todas são sagradas.


O modo como o Profano se sacraliza chama-se consagração. A consagração é uma cerimônia realizada por indivíduos que possuem conhecimentos bastante exatos das coisas divinas. São esses iniciados que reconhecem os sinais propícios ou as ocasiões indicadas para que uma pessoa ou um objeto passe do espaço Profano para o espaço Sagrado.


Os rituais religiosos ou místicos são os rituais espirituais, e tem por finalidade, saciar a nossa necessidade
de alimento espiritual. Propiciam a elevação da mente humana a elevados graus de vibração energética.


Os rituais podem ter uma característica tanto profana quanto sagrada. Podemos acender uma vela com o propósito de

iluminar um determinado ambiente que se encontra escuro ou, acender uma vela para atingirmos uma determinada

frequência espiritual, iluminando nossa consciência.


Dentre as várias possibilidades ritualísticas que poderíamos utilizar como referencia para nosso
estudo, escolhemos o Ritual da Vela Sagrada, pois, constantemente fazemos o uso das velas em nosso cotidiano. 

O objetivo que propomos atingir na execução deste módulo é fornecer informações tanto teóricas quanto práticas,

para que você possa entender o que são os rituais e utilizá-los de forma simples, consciente, segura e eficaz.



Módulo VI   -   A VIAGEM XAMÂNICA

De acordo com a visão xamânica existe uma realidade invisível além do mundo físico, que é acessível por meio da Jornada Xamânica. No xamanismo céltico essa realidade que não vemos é conhecida como o “outro mundo”.

Na tradição aborígene australiana os mundos invisíveis são chamados de “tempo do sonho”.


Muitas tradições xamânicas acreditam que a realidade invisível está dividida em três mundos separados,

chamados de Mundo Inferior, Mundo Superior e Mundo Intermediário. Cada mundo possui qualidades distintas,

inclusive portas de entrada ou portais específicos e uma paisagem reconhecível.

Abordaremos neste módulo :

- O que é uma Jornada Xamânica
- Os três Mundos – A Cosmologia Xamânica.
- O Tambor – a canoa do xamã.
- Os Animais de Poder e os Espíritos Poder – durante a Jornada Xamânica.
- Quando devo realizar a Jornada Xamânica.
- Preparativos para se realizar uma Jornada Xamânica.
- Exercícios Práticos :
- Jornada ao Mundo Inferior.
- Jornada ao Mundo Superior.
- Jornada para conhecer a sua História – Ancestral.

 


Módulo VII   -   A VISÃO XAMÂNICA DOS SONHOS

É nos sonhos e nas vivências visionárias para contatar o mundo espiritual, e obter conhecimento
mágico e sabedoria ancestral, que fundamentam-se os costumes e valores das culturas xamânicas.
O sonho é uma forma do espírito se comunicar com o corpo físico, transmitindo informação em imagens alegóricas

que se relacionam com a vida e experiências do sonhador.


Como o mundo íntimo do sonho reflete o mundo exterior do sonhador, observa-se que uma mudança no
mundo exterior resultará numa mudança no mundo íntimo do sonho. Da mesma forma, uma mudança no
mundo íntimo do sonho produzirá uma mudança neste mundo exterior.

Neste módulo você entenderá a importância de se prestar atenção aos seus sonhos.
Vamos abordar a correlação entre a visão xamânica dos sonhos e a concepção da psicologia de
Carl Gustav Jung – um dos maiores pesquisadores da mente humana e suas manifestações oníricas.

Em relação às práticas de cura, xamãs, psicólogos e psiquiatras demonstram mais similaridades do que diferenças.

Há métodos xamânicos que se assemelham muito às terapias contemporâneas,

especialmente no que diz respeito à interpretação dos sonhos.

Exercícios práticos : O que meu sonho tem a revelar ?
A simbologia xamanica dos sonhos
Arquétipos - a linguagem arcáica



Módulo VIII   -   RESGATE DE ALMA  - Teoria e Exercícios Práticos

A psicologia contemporânea, como o xamanismo, reconhece que as partes do ser podem se tornar separadas,

deixando o indivíduo alienado de seu self essencial. Muitas terapias atuais compreendem que se o trauma é severo

demais, partes do self sensível e vital irão separar-se para amenizar o impacto do trauma.

Para o pesquisador John Brandshaw os indivíduos se dissociam como que um mecanismo de defesa quando
“o trauma é tão grande e o medo tão aterrorizante que alguém necessite de alívio imediato.”

A literatura psicológica moderna está repleta de relatos destas separações do corpo em tempos de estresse.

Mulheres que foram estupradas tem relatado a observação de sua experiência de um distante ponto no teto.

Durante meses ou anos elas tem relatado se sentirem como se estivessem “fora de seus corpos”.

Para os psicólogos, as partes separadas estão perdidas numa vasta e indiferenciada região chamada inconsciente. Esta região pode ser abundante de lembranças dissociadas, impulsos primais proibidos ou imagens mentais de religiões arquetípicas. No caso de dissociação, o trabalho do psicólogo é ajudar o paciente a recuperar a experiência perdida. Trabalho com os sonhos, fantasias, livre associação ou hipnose podem ser usados para ajudar o paciente a ganhar acesso a estas partes perdidas do self.

Na visão xamânica de mundo, as partes vitais do self não vão para uma terra de ninguém indiferenciada quando deixam o self. Em vez disso, as partes da alma vivem uma existência paralela nos mundos não-habituais.

Partes da alma podem ser apanhadas – e presas - num temível lugar na realidade não-habitual,

ou podem ter encontrado mundo mais agradáveis, onde querem permanecer.

Em qualquer caso, uma parte importante da cura é resgatar as partes da alma perdida destes mundos não-habituais,

ou, segundo a psicologia, do inconsciente, trazendo-as de volta ao corpo/psiquismo do paciente.
Neste módulo iremos apresentar esta poderosa ferramenta xamânica de trabalho – segundo estudos desenvolvidos por

Sandra Ingermam e relatados em seu livro “O Resgate da Alma”.



Facilitador  :   Antonio Feller - estudioso e praticante de xamanismo a mais de 30 anos.
 é facilitador de rituais xamânicos,
ministra cursos, vivências, jornadas xamânicas e retiros espirituais.


                        Formado em Psicologia desde 1994 - Psicologia Analítica Junguiana - busca entre a ciência moderna                            e a sabedoria ancestral dos povos nativos, uma síntese capaz de promover um novo paradigma

não apenas na área da saúde, mas frente aos grandes mistérios da vida e da morte.